A área de Recursos Humanos é extremamente ampla e para que funcione da melhor maneira é necessário um planejamento estratégico que englobe a estruturação de todos esses processos, passando por recrutamento, treinamento, admissão, rescisão e gestão.

A primeira etapa se baseia no entendimento de como a organização funciona como um todo e, para isso, a dica é resumir a estratégia da empresa. Dessa forma, orienta-se a conversar com os gestores e com todos os membros da equipe de gerenciamento a fim de entender os gargalos que precisam de intervenção. A estratégia tende a ser perfeita no papel, mas na prática alguns aspectos fogem ao controle e é papel do RH entender quais são para minimizá-los. O foco, então, se volta às áreas emergenciais, em que os problemas causam o impedimento da execução das atividades e entrega de resultados.

Posteriormente, determine quais são as capacidades que precisam ser fortalecidas e a cultura necessária para implementação dessa estratégia. Nesse momento, não se firme a capacidades muito restritas, mas sim a algo mais amplo e cabível de desenvolvimento como liderança, organização ou conhecimento técnico acerca de determinado assunto. Após essa definição, apresente-a às equipes e aos gestores e pergunte se concordam com o que foi levantado, além de pedir sugestões diante da proposta.

O terceiro passo é fazer uma rápida e prática análise das lacunas que impactam no rendimento da empresa. Ferramentas como pesquisa de clima, questionários pontuais aplicáveis aos membros da organização e até mesmo a conversa com parceiros e fornecedores são apostas para essa estruturação. Ao mensurar os resultados, estabeleça uma ordem de prioridades, partindo daquelas áreas em que o impacto é maior.

A atualização acerca das tendências globais, regionais e organizacionais é a próxima etapa para uma boa estratégia de RH. Assim, se pergunte sobre o que está acontecendo no mercado, quais seriam as possíveis oportunidades e ameaças, o que as empresas estão ofertando no que tange salário e benefícios e, assim, você se prepara para qualquer contratempo. A atualização também tem que partir de dentro, sendo a conversa com colegas e pessoas de outros departamentos de igual valia para o planejamento. Entenda como funciona o fluxo de TI e financeiro, por exemplo, pois quando precisar da colaboração deles, o trabalho fluirá de maneira mais rápida e eficiente.

Utilize também do seu conhecimento sobre a própria área de Recursos Humanos. Volte à memória em busca das estratégias mais eficazes para fechar lacunas de cultura organizacional e pesquise também sobre ferramentas que possam te ajudar nesse processo. O profissional de RH tem um grande leque a seu favor: treinamentos, recrutamento, planos de carreira, gestão de talentos, gerenciamento de desempenho e outras diversas divisões que são munição para implantação de mudanças positivas para todas as áreas. Novamente, cabe à priorização de intervenções que produzam um impacto mais rápido e maior para um primeiro momento, mas é importante lembrar de todos os pontos para intervenções futuras.

Uma das etapas finais é o cálculo do planejamento e do custo necessário para todas as mudanças percebidas. Nesse cálculo, estabeleça os responsáveis por cada projeto, além de definir como será o seu acompanhamento. Por fim, discuta o seu plano com sua equipe de gerenciamento, com os demais membros do RH, seus parceiros e todas as partes interessadas a fim de melhorar a visualização de como será a melhor maneira de executá-lo e esteja aberto a adaptações diante das discussões que serão feitas.

Por meio dessas etapas, a estratégia de melhoria do RH e, consequentemente, da empresa se torna mais palpável. É tarefa árdua, mas proporciona a implementação de melhorias que resultarão em maiores lucros para a empresa e o desenvolvimento profissional de todos os colaboradores.