A inteligência artificial aparece cada vez mais frequente no âmbito empresarial, desmistificando o caráter fictício alimentado pelos filmes que inicialmente abordavam essa nova espécie de tecnologia. A área de Recursos Humanos também sofre impactos diante desse avanço tecnológico, cabendo aos profissionais da área se atualizarem acerca dessa nova ferramenta de mercado.

Técnicas como Big Data, Cloud Computing, ferramentas como Machine Learning e People Analytics, um pedido de mapeamento do perfil dos funcionários baseado em suas competências ou até mesmo o cálculo da projeção de contratações para determinado período deixa de ser um desafio, podendo serem entregues em questão de horas.

O avanço tecnológico indica o desenvolvimento ainda maior de diversas técnicas e, assim, será possível otimizar os processos de recrutamento e seleção e treinamento e desenvolvimento em qualquer parte do globo, graças à base em dados educacionais, bancos governamentais e até mesmo redes sociais. A agilidade nos processos é uma das principais vantagens trazidas por essa inovação e as estratégias baseadas no “feeling” conseguem ser aprimoradas através de dados, o que reduz a probabilidade de atrasos nas entregas e falhas no processo como um todo.

O que é Inteligência Artificial?

O termo Inteligência Artificial nasceu em 1956, porém passa a ser usado e entendido na contemporaneidade graças ao grande volume disponível de dados e algoritmos avançados trazidos pela evolução da tecnologia. É uma vertente da ciência da computação que se baseia na construção de sistemas capazes de mapear, raciocinar e resolver problemas de forma inteligente, ou seja, conseguem captar e aprender com os dados externos e até mesmo com o comportamento das pessoas de uma equipe, por exemplo, apresentar dados que guiem a tomada de decisão.

Anteriormente, em 1950, a resolução de problemas e métodos simbólicos começaram a ser explorados e pouco depois, em 1960, o Departamento de Defesa dos EUA passou a “treinar” computadores para imitarem o raciocínio humano básico. Como resultado desse investimento, em 1970 foi possível completar o mapeamento de ruas pela Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA). Com sede de maior evolução, a DARPA, em 2003, criou assistentes pessoais inteligentes que se assemelham à Siri, Alexa ou Cortana, que aparecem nos smartphones atuais.

O que muda para o RH?

Algumas empresas já adotaram o Chatbots como alternativa inteligente de otimização de processos. Desse modo, tarefas mais operacionais e corriqueiras como cadastro de férias e esclarecimento de dúvidas padrões podem ser feitas pelo canal do chat ou por Whatsapp, através de uma conversa com um agente virtual que responde às perguntas de forma instantânea e dá o devido direcionamento às demandas.

Outro aliado novo é o Big Data que cria, armazena e analisa uma grande quantidade de informações com a ajuda da Internet. Essas informações podem ser números ou podem não ser estruturados (e-mails, áudios, etc.). A análise de dados pode ser feita de diversas fontes, o que permite melhor organização das tarefas, além de possibilitar a identificação de comportamentos suspeitos e problemas em tempo real, ampliando a possibilidade de intervenções por parte do RH.

Ademais, o mapeamento de perfil comportamental emerge como software de aprimoramento. Através dele, é possível, além de mapear o perfil comportamental de candidatos e de colaboradores, monitorar o desenvolvimento desses profissionais uma vez já contratados. Assim, é possível identificar quem são os colaboradores que estão alinhados com a cultura organizacional da empresa e pontuar os campos que precisam ser desenvolvidos para melhoria do ambiente laboral. Neste tipo de software, os candidatos são agrupados em perfis distintos em virtude das suas características dominantes, o que otimiza o tempo e o custo de processos seletivos.

A tecnologia continua evoluindo a cada dia e o impacto tende a ser cada vez mais positivo para todas as áreas, inclusive a Gestão de Pessoas, com softwares como o Join RH. A agilidade, redução de custo, aprimoramento de estratégias e até mesmo o aumento do leque de decisões são alguns dos benefícios trazidos pela Inteligência Artificial. Cabe a nós, profissionais, nos adequarmos à demanda do mercado em busca da constante atualização, desenvolvimento pessoal e profissional.