Employee experience é mais do que apenas onde o funcionário se senta ou como é sua mesa. É o culminar de todas as interações e experiências que os trabalhadores têm durante todo o seu tempo de casa – desde as interações iniciais com a organização até a saída e além.

Todos os componentes do employee experience abrangem várias áreas e podem ser visualizados de vários aspectos: é a cultura de uma organização, a tecnologia usada e o ambiente físico de trabalho. São também as impressões e a percepção do funcionário, seja reunida por meio de pensamentos, observações ou sentimentos sobre o tempo que passa na empresa. Por fim, inclui uma jornada personalizada entre o funcionário e a empresa para moldar a experiência, tornando-a uma maneira abrangente de os empregadores deixarem um impacto positivo em seus funcionários por meio de vários pontos de contato. Employee experience não é apenas uma boa ideia para manter seus funcionários felizes. De fato, é um fator crítico a ser considerado pelos líderes empresariais.

Pesquisas do MIT sugerem que as organizações que priorizam o employee experience alcançam:

  • 2x mais a satisfação do cliente
  • 2x mais inovação
  • Rentabilidade 25% maior

Isso não é uma surpresa, quando você considera que funcionários felizes são mais produtivos e engajados. O estudo de referência de engajamento de emprego de 2016 do Grupo Temkin mostra que as empresas que se destacam na experiência do cliente têm 1,5 vezes mais funcionários engajados, provando que a experiência do funcionário e a experiência do cliente estão intrinsecamente ligadas.

Um employee experience positivo também vem se tornado um diferencial importante na busca de talentos, pois uma parte crescente da força de trabalho busca trabalho significativo, flexibilidade, autonomia, conexão e orientação. Com apenas 1 em cada 10 funcionários relatando que sua experiência geral no trabalho excede significativamente suas expectativas, as organizações que priorizam a experiência dos colaboradores são muito mais atraentes para High Talents.

Parte da atração de talentos de alta qualidade requer não apenas o fornecimento de incentivos e experiências, mas a descoberta de quais incentivos são mais significativos para uma equipe específica. Por exemplo, os trabalhadores estão cada vez mais procurando horários flexíveis, superando inclusive os salários mais altos e mais tempo de férias. Nesse caso, a flexibilidade – ou a falta dela – tem o potencial de impactar significativamente a experiência dos funcionários de alguém.

Sendo assim, os líderes podem usar pesquisas de clima para obter uma compreensão básica da percepção dos colaboradores em seu estado atual – começando não apenas com os níveis atuais de engajamento, mas com pensamentos sobre vários dos principais fatores no cenário da experiência dos funcionários: cultura, recursos tecnológicos e seu espaço de trabalho. Para mudar para uma abordagem centrada na experiência, existem algumas áreas que os líderes empresariais podem explorar para iniciar a transição.

O acompanhamento se faz igualmente essencial e a entrevista de desligamento consegue “fechar” o ciclo, uma vez que evidencia as lacunas da empresa aos olhos do colaborador. A experiência é muito mais ampla que a saída e pode mudar com o tempo. Deve haver iniciativas, oportunidades de feedback e mensuração em cada etapa, seja recrutamento, contratação, integração, desempenho, aprendizado e desligamento.

Além disso, o ambiente de trabalho representa um aspecto fundamental para que a experiência do colaborador seja positiva. Dessa forma, invista em um ambiente moderno, respeitando os limites da organização. Você deve garantir que seu local de trabalho seja atualizado periodicamente e que todos tenham o que precisam para obter sucesso. Para isso, algumas ideais são:

  1. Troque lâmpadas, abajures ou outros recursos estéticos.
  2. Atualização de softwares antigos e consequente treinamento para as novas tecnologias.
  3. Permitir cães no escritório em alguns eventos ou “dia pet”.
  4. Invista em novas ferramentas para tornar a jornada de trabalho mais eficiente.
  5. Avalie arranjos de assentos ou configurações de mesa.
  6. Providencie entrega de lanches em treinamentos, ocasiões especiais, aniversários ou periodicamente.
  7. Comece a oferecer agendas mais flexíveis.

Além de ajudar seus funcionários a serem mais engajados e produtivos, essas pequenas vantagens do local de trabalho também são ótimas para recrutar novos talentos.

O início de uma reformulação organizacional é um empreendimento enorme, mas, em sua essência, trata-se de fazer com que os funcionários se sintam confortáveis ​​e valorizados. Para começar: tente simplesmente tratar os funcionários como se fossem clientes. Isso significa perguntar o que você pode fazer para ajudar, tornando-os uma prioridade e abordando seus comentários. Normalmente, os funcionários interagem diretamente com os clientes e, portanto, se eles estão felizes, motivados e envolvidos com seu trabalho, o atendimento ao cliente também é melhor.

Embora um plano estratégico e ponderado seja sempre uma boa ideia, não é necessário que seja um processo longo e prolongado. Pequenas ações são importantes e vão construindo, aos poucos, uma melhor relação entre o empregado e o empregador.