Mais de 82% dos empregos de habilidades intermediárias precisam de habilidades digitais e mais de 7 milhões de oportunidades de trabalho exigem algum nível de conhecimento em codificação. Nesse contexto, os empregadores devem assumir o papel de instrutores. É um desafio da modernidade e as empresas de educação on-line oferecem ofertas de alta qualidade que podem atender às suas necessidades.

Um dos destaques é a Udemy, fundada em 2010. É um mercado on-line que possui mais de 65.000 cursos e mais de 20 milhões de estudantes. Há também o Udemy for Business, que fornece treinamento aos funcionários. Alguns dos clientes incluem Lyft, PayPal, Century21, MetLife e Volkswagen. Shelley Osborne, gestora de desenvolvimento da Udemy alerta alguns aspectos e dá dicas de como criar uma estrutura de treinamentos eficaz.

1 – Estabelecendo metas e objetivos

Segundo Shelley, as organizações devem se perguntar qual o impacto nos negócios que esperam alcançar através do treinamento e ao avaliar o que está acontecendo e identificar oportunidades de melhoria, a criação das iniciativas de treinamento certas não apenas satisfaz os funcionários, mas também afeta os resultados.

Uma chave é definir prazos e referências. “Enquanto algumas organizações podem usar uma métrica ampla, como o aumento da produtividade como referência, outras podem adotar uma abordagem mais tática e reconhecer uma solução muito específica em resposta a uma determinada necessidade”, disse Shelley. “Um exemplo disso seria para uma pequena empresa que está crescendo muito rapidamente para implantar o treinamento de entrevistas como forma de garantir que toda a equipe esteja alinhada e dimensionada”.

2 – Liderança

Em algumas organizações menores, o papel será direcionado a alguém do RH, visto a inexistência de um cargo dedicado a treinamento e desenvolvimento. Além disso, os gestores têm papel fundamental como mentores de grande parte dos treinamentos. Mas, dependendo da situação – e da importância do treinamento – pode haver alguém que irá assumir o papel, até mesmo o CEO.

3 – Buy-In de executivos e fundadores

Um programa de treinamento bem-sucedido precisa do envolvimento da diretoria. “Ao demonstrar apoio a uma mentalidade de aprendizado, as partes interessadas podem dar aos funcionários a confiança necessária para adotar totalmente o treinamento e o desenvolvimento”, disse Shelley. “O comprometimento com o aprendizado em toda a empresa é um dos elementos-chave que diferencia os programas de treinamento bem-sucedidos daqueles que fracassam. É imperativo criar uma cultura de aprendizado em que o aprendizado seja normalizado no local de trabalho e as partes interessadas estejam capacitando um crescimento constante”.

4 – Rastreamento

Um bom benefício das plataformas de treinamento on-line é que você pode obter métricas de uso. Embora isso não signifique que você deva usar isso como uma arma para forçar o aprendizado. Esse controle é importante para análise dos indicadores do treinamento, como a satisfação dos colaboradores, funcionalidade do treinamento, aplicação dos conceitos aprendidos na prática diária, dentre outros. Ademais, essas métricas fornecem bagagem para apresentações à diretoria, visto que é possível colocar em números a produtividade de um treinamento bem organizado.

“Embora as organizações ocasionalmente precisem exigir treinamento específico por certas razões, um dos nossos princípios básicos quando se trata de aprendizado e desenvolvimento é que os funcionários estão no lugar do motorista”, disse Shelley. “Somos defensores do modelo de aprendizado pull e acreditamos que, para criar um impacto duradouro, os funcionários devem se sentir motivados a buscar treinamento e aprendizado, em vez de se sentirem forçados a investir seu tempo. Para que o treinamento seja bem-sucedido, o foco real deve ser se os funcionários estão se comportando melhor em seus empregos e a participação não deve ser usada como uma métrica para envergonhar os funcionários. No final do dia, ao tornar o aprendizado personalizado e relevante, os líderes de negócios podem promover funcionários que são melhores em seus empregos e mais envolvidos como resultado”.