Recrutar é uma arte, e não uma ciência exata. Essa arte se tornou ainda mais desafiadora porque hoje os candidatos, em sua maioria, pertencem a geração Y e não, eles não querem só comida, eles querem comida, diversão e arte, como diz a conhecida letra do Titãs. Os jovens querem um processo seletivo fora do comum, inovador e criativo. Além disso, de acordo com a Jobvite (plataforma de recrutamento), 65% dos recrutadores identificam a falta de candidatos certos como seu maior problema. Você sabe, contratar a pessoa certa traz benefícios como maior engajamento do funcionário em menos tempo e redução do turnover.

Por isso que algumas empresas decidiram investir em estratégias de gamification (ou “gamificação” no bom português) que consiste no uso de jogos em ambientes corporativos. Os desafios podem ir desde testes de conhecimento no estilo quiz até a apresentações corporativas de projetos e jogos de negócios.

Algumas empresas bem conhecidas como a Shell e a L´Oreal Paris estão começando a usar a gamification como meio de fazer uma seleção entre os candidatos. A Shell utiliza o “The Shell Exploration Game”, que convida os possíveis futuros funcionários a explorarem uma determinada região e obter a maior quantidade possível de energia resolvendo problemas e quebra-cabeças.  Já a empresa de origem francesa foi uma das pioneiras na matéria de gamification. A L´Oreal criou o Brandstorm, considerado um dos primeiros jogos de negócios do mundo, em 1992. No Brasil, o game vem sendo aplicado desde 2004 e até hoje, a L’Oréal do Brasil já registrou mais de 1.700 participantes, e o número de universitários ao redor do mundo já chega a 68 mil pessoas.

Legal, mas e aí como você aplica isso no dia a dia da sua empresa?

Veja algumas ideias de como você pode se apropriar da estratégia de gamification para recrutar e selecionar novos talentos para sua empresa:

  • Jogos, para que te quero!

Propor jogos interativos ajuda o candidato a compreender as informações e políticas da empresa enquanto ele se diverte. A probabilidade de o candidato absorver o conteúdo fazendo algo mais descontraído é maior do que se for proposto a ele que leia um calhamaço de páginas em PDF. A tática dos jogos interativos faz com que ele possa simular o dia a dia no trabalho e revela suas capacidades e o comportamento real frente a algumas situações.

A rede de hotéis Marriot criou o “My Marriot Hotel”, um jogo que faz os candidatos experimentarem virtualmente como que é o processo de gerenciar um hotel Marriot. O jogador tem tarefas que vão desde a compra de suprimentos até a determinação do número de atendentes que estarão em operação durante o expediente. O jogo está disponível dentro da página de carreira da empresa no Facebook.

  • A feira de vagas de trabalho, só que virtual

Provavelmente você já ouviu falar das feiras de oportunidades que as faculdades realizam. A grande novidade é que essas feiras já começam a acontecer virtualmente. Uma pesquisa realizada pela UBM Studios Unicruit constatou que 84% dos participantes da pesquisa recomendariam uma feira de carreira virtual para um amigo. A boa notícia é que já existem muitas ferramentas on-line que permitem que você crie uma feira de trabalho virtual de um jeito muito fácil. Além disso, você também pode projetar sua feira de maneira que também avalie as habilidades e qualificações do seu candidato.

Um caso real aconteceu com a FGV (Fundação Getúlio Vargas) que promoveu a FGV Talentos 2017, uma feira 100% online que aconteceu em junho deste ano. Foram registrados mais de 1800 visitantes só no primeiro dia e cerca de 1600 inscrições nas vagas disponibilizadas. Por meio de uma plataforma em 3D, os estudantes puderam acessar informações de cursos, assistir às palestras e se candidatar a diversas vagas de empresas como Cruz Vermelha, CIEE, Rede D´Or.

  • Codar e competir

Para conhecer melhor seus candidatos e coletar dados interessantes sobre eles, proponha a eles que resolvam um quebra-cabeça durante o processo seletivo, para avaliar suas habilidades de pensar fora da caixa, trabalhar sob pressão, etc.

O Google organiza uma competição de escrita de código chamada Google Code Jam. O objetivo é captar novos talentos para trabalhar para a empresa (desenvolvedores, principalmente). Através do game, a empresa consegue avaliar quais os participantes têm as habilidades adequadas para o trabalho e a empresa.

  • Vai acabar em pizza?

A Domino´s tem um jogo chamado Domino´s Pizza Mogul que é muito usado para que os próprios clientes se divirtam, criem ideias de pizzas diferentes e até recebam dinheiro por elas. A empresa aproveita ainda a ferramenta em seus processos seletivos para identificar possíveis futuros candidatos que sejam inovadores, divertidos e criativos, valores que estão na cultura dela.

A ação de estratégias de gamification para recrutamento irá crescer à medida que as empresas perceberem o valor em realizar processos seletivos mais interativos e dinâmicos, como também entender como usar dessas estratégias para tomar decisões mais inteligentes no momento de contratar. Há inúmeras maneiras de se criar um processo seletivo de gamification, criativo e, principalmente, que traga o resultado esperado: a melhor contratação em menor tempo.

Leia também:

Como motivar as novas gerações no ambiente de trabalho?

Como realizar a gestão de conflitos de gerações

Os segredos para recrutar jovens talentos

Encontro de gerações: como eles podem ajudar as organizações

Talento a ser lapidado: como descobrir e desenvolver potenciais