Inspirar e motivar pessoas em um cenário instável e em constante mudança, gerenciar conflitos, tomar decisões estratégicas. Ser líder nos tempos atuais requer muitas competências. Não é à toa que a preparação e o desenvolvimento de lideranças são algumas das maiores preocupações das empresas. Os planos de sucessão apareceram em diversas pesquisas cujo objetivo era identificar quais seriam os focos de atuação em 2016 e 2017.

Preparar as próximas gerações de líderes da empresa é um desafio e ao mesmo tempo uma necessidade. Desenhar um plano de sucessão não é simplesmente planejar como as próximas lideranças serão selecionadas, mas principalmente como elas terão suas habilidades desenvolvidas dentro da empresa. Ainda que o profissional demonstre algumas competências favoráveis ao exercício da liderança, é preciso prepará-lo para as diferentes situações que enfrentará em sua nova posição.

Há alguns pontos a serem considerados na criação de programas efetivos para desenvolvimento de lideranças:

  1. Planeje a formação e o desenvolvimento com base nas competências esperadas.

A criação deste planejamento deverá contar com o envolvimento dos diversos stakeholders como, por exemplo, a alta liderança, os gestores que irão preparar os profissionais nos planos de sucessão e demais públicos que sejam mapeados pela empresa como parte interessada.

  1. Identifique quais competências podem ser trabalhadas em grupo e quais precisam de uma atenção individual.

Processos de desenvolvimento em grupo incluem cursos presenciais ou online, palestras, grupos de trabalho, entre outros. Para desenvolver competências de forma individual, é possível contratar coaches, mentores e trabalhar com um plano de desenvolvimento individual propondo ações a serem realizadas pelo futuro líder.

  1. Utilize a tecnologia como facilitadora para as ações de desenvolvimento.

Ter uma plataforma de ensino a distância é uma forma inteligente e mais barata de treinar colaboradores. É viável estabelecer horários para a realização dos cursos ou possibilitar que os participantes escolham o melhor horário conforme suas necessidades. Dá para indicar quais cursos devem ser feitos e também disponibilizar conteúdos para livre escolha. É possível realizar fóruns, chats, atividades individuais ou em grupo. São muitas as possibilidades.

  1. Dê oportunidade de decisão.

Um bom líder possui confiança para tomar decisões, sejam elas simples ou complexas. O profissional deve aos poucos ser encorajado a tomar decisões, ainda que isso implique em um erro. Errar também faz parte da rotina na liderança de uma equipe. É preciso saber lidar com isso. Delegue responsabilidades e acompanhe. Conforme o profissional vai se desenvolvendo, a necessidade de acompanhamento reduz na mesma proporção.

  1. Incentive o network.

Outra competência fundamental para qualquer líder é a capacidade de se relacionar com pessoas de diferentes níveis dentro da empresa. É importante incentivar e ensinar os colaboradores a estabelecerem novas parcerias e expandirem suas relações dentro e fora do trabalho.

  1. Estimule que o profissional busque seu próprio desenvolvimento.

O autodesenvolvimento é uma competência essencial não apenas para a liderança, mas para qualquer profissional. Deixar a responsabilidade do desenvolvimento do colaborador apenas para a empresa é impossibilitar que ele assuma as rédeas de sua trajetória profissional.

É preciso que ele tenha interesse e iniciativa na busca por novos conhecimentos e habilidades. Afinal, em um mundo onde as informações mudam em alta velocidade, as pessoas precisam estar aprendendo sempre.

É possível que a empresa apoie o colaborador em seu processo de autodesenvolvimento, criando um plano junto com ele. As ações podem ter custo, como a realização de cursos, ou serem gratuitas, como a leitura de conteúdos digitais, a realização de desafios individuais ou em grupo, atividades on the job, etc.

Para que a área de Recursos Humanos faça a diferença no desenho de planos de sucessão, é preciso atuar de forma estratégica, criando ações que possibilitem a preparação das futuras lideranças, promovendo conhecimento técnico e mudanças comportamentais.