A aprendizagem em rede não é uma novidade. Desde os primórdios da humanidade, nós, seres sociais que somos, vivemos em comunidades, sobrevivemos e aprendemos por meio delas. O conhecimento transmitido das gerações antigas para as mais novas, os grupos de estudos nas escolas e universidades são exemplos de aprendizagem em rede – ou aprendizagem social.

No entanto, com o advento da internet e a evolução exponencial das Tecnologias de Informação e Comunicação – TICs, a aprendizagem em rede ganhou nova roupagem e proporções nunca antes pensadas. Apresentamos neste artigo as novas características da aprendizagem em rede e de que forma a área de Treinamento e Desenvolvimento pode repensar seu modelo e práticas de Educação Corporativa.

Aprendizagem em rede: novas características

As TICs trazem novos olhares e diferentes possibilidades para a aprendizagem em rede. A internet e os diferentes recursos que ela disponibiliza possibilitam uma aprendizagem assíncrona, ou seja, a qualquer momento, em qualquer lugar do mundo, diferentes pessoas podem compartilhar conhecimento através de variados meios.

Isso muda completamente a forma como as pessoas buscam conhecimento, gerando uma necessidade de revisão nos antigos – e por que não dizer já ultrapassados – métodos de ensino, incluindo as abordagens utilizadas pela maior parte das empresas em Treinamento e Desenvolvimento.

Veja as principais características da nova aprendizagem em rede:

  1. Fim das barreiras geográficas

Pessoas do mundo inteiro se conectam através da internet. Redes sociais, aplicativos de mensagens instantâneas e videoconferência, e-mail, entre outros recursos, possibilitam uma comunicação rápida e direta, independente do local onde emissor e destinatário se encontrem.

Essas ferramentas facilitaram muito as comunicações dentro da empresa, incluindo as ações de Treinamento e Desenvolvimento. Como exemplo, podemos citar os grupos no Whatsapp com finalidade de troca de conhecimento, treinamentos curtos por videoconferência, uso de chats e fóruns como ferramentas de suporte à aprendizagem, etc.

  1. Virtualização das relações

Através da internet e das mídias sociais, milhões de pessoas debatem, compartilham suas vidas, distraem-se, trabalham e aprendem.

Algumas empresas já utilizam redes sociais internas como uma das principais ferramentas de Educação Corporativa, contribuindo com a conexão entre seus colaboradores e facilitando a troca de conhecimentos diversos.

  1. Facilidade de acesso a grande volume de informações

Com a internet e seus variados recursos, todos nos tornamos produtores de conhecimento. O volume de conteúdos é imenso, muito variado e está disponível a apenas um clique.

Conectividade, velocidade, compartilhamento. De que formas as empresas podem repensar suas práticas de Educação Corporativa a partir das novas características da aprendizagem em rede?

Educação Corporativa e Aprendizagem em Rede

Em um mundo de rápidas mudanças e grandes volumes de informação, as empresas tentam se reinventar diariamente e se manterem competitivas. É necessária uma imensa capacidade de inovação e de adaptação a um cenário em constante transformação.

Os colaboradores precisam estar preparados para trabalharem em projetos cada vez mais complexos. Os desafios da Educação Corporativa são muitos. Desenvolver competências essenciais, garantir a atualização de informações, o compartilhamento do conhecimento e a aprendizagem contínua são apenas alguns deles.

A área de Treinamento e Desenvolvimento precisa construir um ambiente onde a aprendizagem ocorra de forma contínua, mobilizando a troca de conhecimento, o compartilhamento de melhores práticas e a colaboração. Veja de que forma isso pode acontecer:

  1. Criar ambientes – reais e virtuais – que possibilitem a troca de conhecimento: chats, fóruns, grupos no Whatsapp, Wikis, salas para reuniões, entre outros.
  2. Estimular a participação em projetos multidisciplinares, onde profissionais de diferentes áreas e grau de senioridade atuem juntos visando o mesmo objetivo.
  3. Promover eventos que estimulem o debate sobre temas que agreguem ao negócio. Palestras, workshops, treinamentos e congressos, presenciais ou online, são alguns exemplos.
  4. Incentivar a formação de grupos de estudo, onde os participantes possam se encontrar periodicamente e debater sobre um assunto específico, que poderá ser um case de sucesso, o conteúdo de um livro ou até mesmo de um curso feito por alguns dos participantes.
  5. Criar comunidades de prática presenciais ou virtuais, em que os colaboradores relatem uma situação-problema e os colegas contribuam com sugestões de melhores práticas para a resolução.
  6. Capacitar os líderes para que estimulem a cultura do diálogo.

Há muitas possibilidades dentro do contexto de Educação Corporativa para estimular a aprendizagem em rede. O que a área de Treinamento e Desenvolvimento de sua empresa tem feito para que as pessoas aprendam continuamente e de forma conectada?