A preocupação em ter um bom desempenho durante o processo seletivo não deve ser somente dos candidatos, mas também dos recrutadores. O recrutamento de novos talentos deve ser realizado com planejamento, pois por simples erros de seleção, a empresa pode perder a chance de ter um funcionário com potencial e efetivar quem não se encaixa devidamente às atribuições da vaga.

Todo profissional de RH sabe a seriedade que abrange a escolha de um candidato. É necessário ter conhecimento, habilidade, boa percepção e muita atenção em todas as etapas do processo. Decisões erradas geram prejuízo financeiro, perda de tempo e até mesmo reflexos negativos na equipe. Saiba quais são esses equívocos e veja como evitá-los.

  1. Não conhecer bem a empresa

É importante que qualquer funcionário saiba a política, objetivos e valores organizacionais, principalmente os recrutadores. A função é transmitir essas informações para o candidato e avaliar se a visão dele corresponde à proposta da empresa.

Além do mais, conhecer bem a organização e a função que o candidato vai exercer, permite que você faça as perguntas certas e obtenha as respostas cruciais para a decisão.

  1. Não explicar todos os detalhes da vaga

A falta de precisão nas informações repassadas ao candidato pode fazer com que os papéis se invertam. Quem tem potencial perde o interesse, assim como quem não corresponde ao perfil acaba se interessando, justamente por não saber de todas as atribuições.

Normalmente, o candidato leva em conta as competências, local de trabalho, horários, salário, possibilidades de mudança e assim por diante. Então é necessário informar todos os detalhes com clareza.

  1. Falta de postura

Assim como se espera do candidato boa postura, profissionalismo e clareza na comunicação, também é fundamental que você, como recrutador, seja o exemplo do “padrão de qualidade” da empresa. Caso contrário, poderão concluir que determinadas condutas são normais e aceitáveis.

É necessário estar com aparência apresentável, ter boa postura, usar o vocabulário propício, não deixar ser interrompido por celular ou por conversas paralelas, garantir que o ambiente esteja agradável e focar a atenção somente no entrevistado.

  1. Não se preparar para a entrevista

Como entrevistador, você precisa ter um roteiro com os assuntos a serem tratados e com todas as perguntas já formuladas. Outro ponto indispensável é estudar o currículo antes, saber com quem está conversando, traçar o perfil do candidato, bolar questionamentos estratégicos de acordo com o conhecimento e a experiência que ele diz ter.

  1. Acreditar apenas no que o currículo diz

Há uma grande diferença entre dizer que sabe fazer algo e realmente fazer. É simples de entender, mas ainda é um erro recorrente. Para evitar o engano, é importante aplicar avaliações práticas e quantos testes técnicos forem necessários. Às vezes a urgência em preencher logo uma vaga faz com que você queira adiantar o processo e pule algumas etapas. Não é a opção mais sensata, seja criterioso.

  1. Fazer perguntas íntimas

Pode ser que em determinada hora da entrevista a conversa vá para um caminho mais pessoal, mas jamais faça perguntas íntimas ou comentários inadequados. O candidato não pode se sentir constrangido em momento algum.

  1. Se enganar pela aparência

Sabemos que esse tipo de atitude é antiético e deve ser inaceitável, seja qual for a situação. Mas no ambiente profissional ainda acontece com frequência. Empresas descartam possíveis potenciais por eles estarem fora dos padrões físicos ditados pela sociedade. Lembre-se que o mais importante será sempre o conhecimento e as habilidades profissionais.

  1. Deixar o candidato sem retorno

Quem já participou de algum processo seletivo sabe a agonia de esperar por uma resposta. É necessário que haja respeito e empatia em todas as etapas, tanto pela consideração com o candidato, como pela importância em não desconstruir a imagem da empresa. Mande um e-mail, SMS ou faça uma ligação, mesmo quando a resposta for negativa.

  1. Demonstrar ar de superioridade

É completamente antiprofissional se achar superior pela posição que ocupa, seja ela qual for. O recrutador precisa passar confiança, compreender o nervosismo do entrevistado, manter um bom relacionamento e lembrar que, caso o candidato preencha a vaga, é dever do profissional de RH acompanhá-lo em todas as fases dentro da empresa. Então, por que criar uma relação indigesta logo no início, não é mesmo? Crie uma convivência baseada no respeito.

Quando a condução do processo seletivo é feita de maneira cautelosa e inteligente, o resultado é positivo para ambos. Ao fazer uma admissão assertiva, a empresa agrega valor ao negócio, fortalece a imagem no mercado e o novo colaborador se sentirá ainda mais motivado a gerar resultados.

Leia também: