Anualmente, diversas publicações e revistas especializadas listam as melhores empresas para jovens começarem a carreira. Tais rankings são elaborados com base nos relatos da própria Geração Y, que, de certa forma, acaba revelando o que as companhias fazem para recrutar jovens talentos.

Conhecer as políticas e práticas que enchem os olhos dessa juventude é o desejo de qualquer profissional da área de recursos humanos, afinal, um dos maiores desafios de seu trabalho é garantir o equilíbrio de gerações na organização. Em outras palavras, é poder contar com a experiência de quem tem mais tempo de casa e somá-la ao vigor dos que farão, de tudo, para ter uma carreira de sucesso.

Pensando nisso, listamos a seguir os segredos das empresas que se destacam no recrutamento de jovens talentos. Analise cada tópico e veja o que pode servir de inspiração para o seu trabalho como gestor de pessoas.

O que oferecer para recrutar jovens talentos

Oportunidades de carreira: Diferentemente do que acontecia no passado, hoje, o jovem profissional enxerga o emprego como um meio para satisfazer seus anseios pessoais e profissionais. Mais do que cumprir o expediente e ter um salário no fim do mês, ele deseja se desenvolver através do trabalho e alcançar patamares elevados de conhecimento, e, consequentemente, de cargo.

Um detalhe que merece atenção e que vem aparecendo com frequência nas pesquisas é o sonho dos jovens de desfrutar uma carreira internacional. Organizações com atuação global, ou que liberam seus funcionários para treinamentos no exterior, estão caindo no gosto da Geração Y.

Qualidade de produtos e serviços: A reputação da empresa nunca esteve tão em foco na visão da juventude, já que, além de satisfação, ela deseja ter orgulho da companhia em que atua. Por isso, a qualidade dos produtos e/ou serviços que a organização entrega também virou fator de atração de talentos.

Isso quer dizer que as empresas precisam ter consistência de ações. Se elas prometem o melhor resultado ao consumidor/cliente, é bom fazer o possível para entregá-lo – inclusive para os colaboradores.

Autonomia: Embora tenha sido (erroneamente) taxada de insubordinada, a Geração Y não despreza os processos, e muito menos os seus líderes. O que ela quer é ter um voto de confiança para trabalhar com autonomia, seja na hora de agir ou inovar.

Em relação ao gestor, as expectativas também são altas. Caberá a ele conhecer os jovens talentos e fazer o possível para que seus anseios sejam atendidos. Quanto melhor for essa relação, mais a equipe vai produzir. E, ao final, as duas partes só saem ganhando.

A Geração Y se preocupa com o salário?

Embora o dinheiro tenha perdido o status de fator predominante para a escolha de um emprego, ele ainda tem peso na tomada de decisão, especialmente se estiver aliado a um pacote de benefícios e recompensas que extrapola o básico.

Os benefícios intangíveis, como flexibilidade de horário e home office, vêm se destacando nos estudos. Isso mostra que os jovens, por mais dedicados que sejam, estão preocupados com a qualidade de vida e com o equilíbrio das tarefas pessoais e profissionais.

Como melhorar sua empresa para recrutar jovens talentos?

Escritórios modernos e iniciativas pouco convencionais (como no dress code, happy hour, etc) podem até combinar com o estilo de vida dessa turma, mas, quando o assunto é trabalho, o que se percebe é que a Geração Y está cada dia mais focada em resultados, tanto pessoais quanto corporativos.

Por isso, toda empresa pode e deve se preocupar em modernizar sua gestão para recrutar jovens talentos, desde que essa decisão faça sentido para o negócio e sirva de respaldo para os fatores mencionados anteriormente.

Um espaço de trabalho bonito só fará sentido se o RH desenvolver políticas e práticas que atendam aos reais anseios dessa geração. O melhor a se fazer é buscar a consistência de ações e seguir os exemplos das melhores empresas para jovens.