O recrutamento e seleção de talentos são processos com alto grau de importância para qualquer negócio. A partir dos objetivos estratégicos e da missão da empresa, a área de Recursos Humanos deve mapear as competências organizacionais e profissionais necessárias à performance do negócio e ao alcance dos resultados esperados.

O preenchimento de uma posição de trabalho requer um cuidado minucioso de identificação, atração e seleção do profissional mais adequado, de acordo com os conhecimentos, habilidades, atitudes e valores necessários ao desempenho na função. O processo seletivo pode ser direcionado ao público interno ou externo. A escolha de qual deles adotar para o preenchimento de uma vaga dependerá dos objetivos da empresa.

Recrutamento e Seleção Interno

Recrutar e selecionar internamente significa que o preenchimento da vaga será pelos próprios colaboradores da empresa, que serão promovidos ou transferidos para outras áreas. O foco deste tipo de processo seletivo é o aproveitamento dos talentos internos, oferecendo a oportunidade de crescimento profissional e desenvolvimento de carreira a partir da meritocracia.

Vantagens: menor custo de operacionalização, maior agilidade no processo de admissão, maior rentabilidade do investimento feito em treinamento e desenvolvimento, menor tempo e custo para integração e treinamento do colaborador na nova posição, pois ele já está familiarizado com a cultura da empresa.

Desvantagens: menor quantidade e variedade de perfis a serem avaliados e possibilidade de bloquear a entrada de novas ideias e experiências, pois os colaboradores já estão condicionados à cultura, visão e forma de trabalho da empresa.

O processo interno de recrutamento e seleção também ajuda a promover a permanência e a lealdade dos colaboradores em relação à empresa. Também estimula seu autodesenvolvimento, pois eles passam a buscar o aperfeiçoamento de suas competências visando novas oportunidades dentro da empresa. Além disso, a probabilidade do processo ser assertivo é maior, pois os candidatos são bem conhecidos.

Neste tipo de processo seletivo deve-se tomar o cuidado para que o processo seja baseado em competências claras e previamente definidas, caso contrário pode levar a uma competição negativa dentro da empresa e à frustração daqueles que não foram selecionados devido à falta de transparência.

Recrutamento e Seleção Externo

O processo externo de recrutamento e seleção visa o preenchimento da vaga com candidatos do mercado. O foco deste tipo de processo seletivo é a aquisição de competências externas, renovando a empresa com novos olhares, ideias, experiências, competências e habilidades.

Vantagens: maior diversidade de candidatos para avaliar, renovação e enriquecimento da cultura organizacional, aumento do capital intelectual da empresa, maior proximidade da empresa com o mercado.

Desvantagens: maior custo de operacionalização, pois a empresa precisa diversificar as técnicas de atração para alcançar um grande contingente de possíveis talentos. O tempo para realização também é maior, pois é preciso filtrar um número muito superior de currículos – vindos de diferentes canais – e realizar um número maior de etapas.

Caso esta seja a única fonte de recrutamento e seleção, pode afetar negativamente a motivação dos colaboradores – que não enxergam perspectivas de crescimento dentro da empresa. Outro impacto é a redução da fidelidade dos colaboradores em relação à empresa, podendo culminar em uma evasão de talentos.

As chances de o processo seletivo externo ser assertivo são menores em relação ao interno, pois os candidatos são menos conhecidos pelos recrutadores e gestores das vagas.

O ideal é a empresa adotar como prática de RH um modelo híbrido de recrutamento e seleção, submetendo as vagas a processos seletivos internos e externos, possibilitando a formação e atualização contínuas e diversificadas do seu banco de talentos, tornando-a mais competitiva no mercado.