No mundo corporativo, tornou-se prática muito utilizada a contratação de profissionais em início de carreira para que seu desenvolvimento e aperfeiçoamento sejam acompanhados dentro da empresa.

O objetivo deste processo é a formação de profissionais profundamente alinhados com a cultura organizacional, comprometidos com os processos internos e engajados na entrega de resultados, uma vez que, estes proporcionarão sua evolução profissional dentro da organização.

As contratações assumem um caráter de valorização e motivação para dois personagens que estarão envolvidos no processo, pois, ao mesmo tempo que trazem uma nova oportunidade de trabalho para um profissional em início de carreira, gerando neste um sentimento de satisfação por ter alcançado seu objetivo profissional, após anos de investimento em uma graduação.

Por outro lado, refletem reconhecimento por parte da empresa e proporcionam envolvimento por parte do gestor que terá a oportunidade de transmitir o conhecimento que adquiriu ao longo de sua trajetória profissional.

Este movimento, além de positivo para as empresas, torna o mercado de trabalho mais seletivo com relação aos novos profissionais, exigindo que cada vez mais eles invistam em suas carreiras e em capacitação. Esse movimento proporciona oportunidades que antes eram ofertadas apenas àqueles que já tivessem adquirido certa bagagem profissional.

Mas, quando contratar um trainee e quando optar por um estagiário?

Antes de falarmos das estratégias, é preciso apontar as principais diferenças entre um e outro.

As principais diferenças entre ESTAGIÁRIO e TRAINEE

ESTAGIÁRIO TRAINEE
Geralmente, são contratados nos períodos inicias dos cursos de graduação. São selecionados com previsão de formatura em até 2 anos – prazo máximo – ou recém-formados.
São profissionais com pouco ou nenhuma bagagem profissional. Em sua maioria tem alguma experiência profissional, mesmo como estagiário.
Suas principais habilidades ainda estão no campo das potencialidades. Suas competências exigidas são voltadas para espírito inovador, liderança e orientação para resultados.
O foco de sua contratação é a busca pelo aperfeiçoamento técnico e desenvolvimento de competências. Sua contratação é orientada para formação de líderes com alta performance.
Assim como conhecimento técnico, não são exigidos cursos de formação complementar. Espera-se que este profissional tenha conhecimento de, pelo menos, mais um idioma, sendo diferencial a vivência internacional e cursos extracurriculares que agreguem valor à área de formação.
Tem bolsa de estágio, em torno, de um salário mínimo. Tem remuneração mínima compatível com o piso da categoria.
Podem, ou não, ser contratados ao final do estágio. Ao fim do programa são direcionados para posições de liderança em uma área ou novo projeto dentro da empresa.

 

Desta forma, podemos concluir:

  • A contratação de estagiário é indicada para qualquer tipo de organização, desde empresas de pequeno porte que podem proporcionar um aprendizado generalista, com possibilidades de uma supervisão mais próxima e com grande possibilidade de conhecer os detalhes do processo no qual está inserido e, também, empresas de médio, ou grande porte, onde há possibilidade de envolver-se em processos com grandes metas e resultados. Em geral, o RH acompanha o desempenho através do feedback do líder de área, sem que haja exigência de mensuração de resultados estratégicos.
  • O Programa de Trainee é indicado, principalmente, para empresas que busquem profissionais potencialmente competitivos, que serão desenvolvidos para tornarem-se líderes provedores de soluções e que possam levar à corporação resultados acima da média. Neste caso, é necessária a participação do RH como staff a fim de fornecer ao trainee as ferramentas necessárias para seu desenvolvimento, bem como, acompanhamento junto aos gestores do atingimento das metas estabelecidas, visando entrega de resultados corporativos ligados à estratégia da organização. Um trainee em geral realiza durante o programa um Job Rotation para que tenha uma visão geral do negócio.

Seja qual for a melhor estratégia para sua empresa, vale ressaltar a importância do RH tornar os processos internos cada vez mais orientados para uma cultura de valorização do capital humano e sua participação efetiva na entrega dos resultados.

É fundamental que o RH estabeleça com os gestores a necessidade de, juntamente com o desenvolvimento dos aspectos técnicos na formação do profissional, potencializar os aspectos comportamentais que serão fatores determinantes para um profissional equilibrado. Os melhores profissionais equilibram de forma muito consciente seus conhecimentos com sua capacidade de relacionamento e liderança de equipe.

Dar oportunidades aos novos talentos possibilita que o mercado de trabalho gire e as empresas possam renovar suas energias com ideias inovadoras, absorvendo pessoas engajadas em fazer o melhor, cujo objetivo é compor o quadro de funcionários da empresa, meta principal de um indivíduo quando escolhe o caminho que deseja seguir como profissional.