Louis Burlamaqui, em sua palestra, dentro do espaço ABRH no CONARH, chamada “Domínio emocional em uma era exponencial: como controlar suas ações e reações e abrir-se a uma vida extraordinária”, aborda a importância do domínio emocional no tempo em que a tecnologia está mudando todas as relações, pessoais e profissionais, em um mundo incrivelmente instável e volátil.

Com uma linguagem acessível, leve e fluida, em sua palestra no CONARH, Louis apresenta nove tipos de emoções críticas, como elas são criadas e se cristalizam, levando à repetição de padrões na vida, o que limita o exercício da plenitude do ser humano. Após uma introdução de como isso acontece, são expostas cada uma dessas emoções e as chaves e exercícios de migração para a polaridade positiva de uma emoção dominante.

Louis diz que se nós descrevêssemos o que possuímos no mundo atual para um habitante do nosso planeta em 1970, ele provavelmente nos chamaria de lunáticos. De igual forma, por mais estranhas e utópicas que as possibilidades futuras possam parecer, é certo que precisamos nos preparar para aceitar toda e qualquer radical mudança que venha pela frente e seus impactos.

Não há como negar que o mundo de amanhã será radicalmente diferente de tudo o que foi nos últimos trinta anos devido aos avanços da biotecnologia e às promessas da nanotecnologia.

Ray Kurzweil, cientista e futurista, adepto da ideia de singularidade, projeta que o avanço da inteligência artificial gerará uma onda de crescimento exponencial em dezenas de campos, levando à superação da capacidade humana.

Uma parte dos cientistas entende a palavra singularidade associando-a ao buraco negro, uma região do espaço cuja força gravitacional atrai os corpos celestes e da qual nada consegue escapar para o universo exterior, nem mesmo a luz.

Da mesma forma, singularidade tecnológica exprime que a onda de transformações exponenciais pela qual passaremos nos próximos tempos será tão forte que ninguém e nenhuma empresa neste planeta terá condição de escapar. Aos seus ouvintes no CONARH, Louis diz que todos seremos afetados pelos avanços de inteligências super-humanas e das tecnologias, que irão mudar absolutamente tudo o que entendemos do funcionamento do mundo atual.

Há pouco mais de cem anos, a Terra contava com quatro cidades com mais de um milhão de habitantes; agora elas são inúmeras por todo o planeta. O volume populacional, mais o movimento criado pela internet, gerou o boom de conhecimento, interatividade e produção de ideias nunca visto em nossa história recente.

Mercados estão incertos, pois a consciência das pessoas está mudando radicalmente. Cada consumidor hoje tem acesso à informação e, portanto, tem poder de escolha.

Esses mercados com consumidores em alta vibração de consciência são a dor de cabeça de inúmeros executivos e empresários, atentos à criação e ao lançamento de novos produtos ou serviços que venham a chacoalhar seu negócio.

A cada instante temos uma nova solução batendo a nossa porta. Muitas dessas soluções são simples, fáceis de usar e exponenciais. Nosso mundo se tornou um grande e abundante ambiente para negócios com impacto em bilhões de pessoas.

Aos visitantes do CONARH, Louis apresenta um novo cenário onde o universo interativo da tecnologia, da informação e do conhecimento, é volátil, incerto, intenso, interativo e exponencial:

  • os consumidores não são mais fiéis;
  • as pessoas buscam trabalhar com propósito e significado;
  • os produtos e serviços se tornam obsoletos mais rapidamente;
  • alguém faz algo melhor a cada instante;
  • a pressão e os riscos são mais intensos;
  • o novo surge destruindo o velho;
  • as antigas formas de engajamento não funcionam;
  • há pluralidade de ideias;
  • o coletivo impera;
  • construir junto é mais poderoso que fazê-lo isoladamente;
  • a tecnologia está mudando tudo a toda hora;
  • os sistemas se reorganizam automaticamente;
  • os números ditam as mudanças e as tendências;
  • o controle se intensifica;
  • há uma ressignificação do trabalho e do papel dos seres humanos em função das máquinas;
  • os processos de tomada de decisões exigem consciência;
  • a realização plena depende do bem-estar e da presença;
  • desaprender-se mais rapidamente é uma competência;
  • mercados desaparecem e outros surgem subitamente.

Lidar com essas diversas variáveis exige múltiplas competências emocionais, relacionais e cognitivas.

Pensar, neste novo mundo, é ter a capacidade de usar uma visão integrada e holística em cada situação. Não há mais espaço para as pessoas se acomodarem. No CONARH, Louis afirma que quem se sentir confiante em qualquer coisa hoje, não está sintonizado com o mundo novo, o mundo digital, tecnológico, sutil e arrojado.

Sentir-se inseguro, incomodado, angustiado, tenso e ansioso é mais que natural diante da curva de mudanças pela qual estamos passando e que vamos continuar enfrentando de modo progressivo. Muitas pessoas estão completamente perdidas diante de sua vida e carreira. Mais que nunca é hora de cada um entender como lidar com as próprias emoções a fim de trazer equilíbrio, estabilidade e sabedoria em suas decisões e escolhas.

Ao concluir sua palestra no CONARH, Louis diz que nunca na história recente do planeta tivemos tanta necessidade de fazer uma reconexão pessoal com a nossa essência como hoje, para encarar essa revolução da consciência. A grande revolução do mundo força uma viagem em todos nós.  A viagem é para dentro.

A imagem pode conter: 1 pessoa, barba e close-up

 

Louis Burlamaqui
CEO da Jazzer, Diretor da Merope Books, escritor, músico e palestrante