O uso de indicadores como a frequência dos colaboradores, as competências, o desempenho, o headcount e o turnover demonstram que os gestores fazem o uso de métricas e realizam análises de desempenho de maior assertividade. Estes indicadores auxiliam medir o sucesso dos colaboradores numa empresa.

Porém, é possível que as avaliações de desempenho contemplem aspectos e métricas diferentes dos indicadores mais comuns disponíveis na rotina da empresa. Se tais indicadores auxiliam a construir comparações de maior abrangência, incluindo em aspectos relacionados a concorrência do mercado, existem também maneiras de fazer a avaliação de desempenho dos colaboradores com um nível maior de detalhes.

Ao passo que mais dados informativos sejam possíveis de serem extraídos em uma análise, outros dados estarão disponíveis para realizar a gestão do capital humano.

A seguir apresentaremos algumas capacidades profissionais que são passíveis de transformação em métricas e inclusão na rotina de análises. São elementos que se relacionam de modo direto com as modificações no mercado profissional e com os novos métodos de aprendizado, trabalho e relacionamento.

Capacidade de empreendimento

A terminologia “empreendimento”, por vezes, é refletida apenas com foco em construção de uma nova empresa ou negócio. Não está errado. Contudo, tal capacidade de empreender possibilita a identificação do desenvolvimento de indivíduos que atuem em ambientes corporativos. Alguém que tenha a habilidade empreendedora, não é exatamente uma pessoa que vá realizar a abertura de uma empresa própria. Isso significa, em grande parte dos casos, que ela é alguém capaz de se responsabilizar por ideias novas e maneiras profissionais para projetos ou trabalhos em equipe.

De que modo podemos identificar este profissional?

  • apresenta aptidão aprimorada para agir frente às mudanças;
  • apresenta criatividade;
  • apresenta pensamento otimizado, tentando modificar ou fazer a extinção de processos inúteis;
  • apresenta um relacionamento excelente em relação a todos da empresa, sem distinções; e,
  • apresenta foco em resoluções que demandam prazos curtos ou médios.

O perfil empreendedor pode ter desenvolvimento para o trabalho em setores de projetos inovadores, líder de times e aberturas de mercado.

Performance multitasking

Este perfil de colaborador é dotado da habilidade multitasking – várias tarefas – e está se tornando comum em muitas empresas. A partir de uma nova demanda do mercado profissional, de modo frequente, colaboradores de Recursos Humanos acabam se deparando com perfis que atuam em diversas atividades em mesma instância. A característica de “várias tarefas”, de modo geral, destaca-se pela execução e entrega de muitas atividades.

Isso não está relacionado diretamente à utilização de tecnologias de maneira simultânea. O multitasking desenvolve muitas linhagens de raciocínio e ainda as conclui.

Aqueles que disponibilizam de habilidade multitasking são passíveis de direcionamento para projetos novos, que tenham uma complexidade maior, de modo que planejam e executam as atividades de forma simultânea.

Resiliência

Uma terminologia que ganhou destaque nos últimos tempos é a resiliência. Ela é a capacidade de uma pessoa lidar com seus próprios problemas, vencer obstáculos e não ceder à pressão, seja qual for a situação, ou seja, é a capacidade da pessoa ao cair de se levantar rapidamente e voltar ao seu estado normal. É possível de ter a sua inclusão como indicador na avaliação de desempenho. Um colaborador resiliente é passível de melhor treinamento, capacitação e preparação para desafios.

Decisão

Nem todas as tomadas de decisões profissionais são relativas aos diretores ou gestores de uma empresa. Todos os dias, os colaboradores necessitam decidir alguma coisa para a garantia de resultado de sua tarefa.

Anteriormente a criação deste indicador, é importante pensar em sua rotina, em decisões pequenas tomadas todos os dias. A antecipação e adiamento de trabalhos, em virtude da compreensão de prioridades, mediação de conflitos de maneira célere, respostas de mensagens com urgência ou conclusão de determinadas tarefas de mesmo caráter, tudo isso demonstra a capacidade de decidir.

 

De que modo podemos criar métricas para tais indicadores?

Não existem regras determinadas para isso. É possível fazer a elaboração de pequenos questionamentos com base nos cenários e situações corriqueiras que possam permitir a análise de tais competências e o estabelecimento de notas conforme a categoria da resolução.

O que mais importa é que, de fato, criar métricas, é compreender a maneira como fazer uso das mesmas. Uma gestão de sucesso pode se destacar pelas habilidades e qualidades específicas de cada um dos colaboradores.