Como parte da estratégia competitiva de remuneração dos funcionários, todas as empresas devem considerar uma combinação de métodos de compensação que incluem salário, benefícios, incentivos e compensação não necessariamente monetária.

A combinação e o alinhamento desses métodos podem afetar diretamente a capacidade da empresa de atrair, motivar e reter os melhores funcionários, isso porque em alguns setores da economia o mercado está bastante competitivo e as organizações têm mais dificuldade de encontrar colaboradores especializados. Isso tem feito com que elas usem diferentes estratégias para recrutá-los — como por exemplo, o salário.

No entanto, é consenso que não adianta estabelecer uma remuneração sem critérios, dando margem a arbitrariedades dentro das companhias. Pensando nisso, é importante se atentar a algumas dicas para o estabelecimento de uma política de remuneração adequada.

 

1 – Descreva as funções dos cargos

É isso mesmo, antes de criar qualquer política de remuneração é importante descrever todas as funções desempenhadas em cada cargo dentro de uma empresa, mas para isso, um trabalho em parceria com os gestores das áreas se faz bastante importante. Ao envolvê-los nessa tarefa, ficará mais fácil implementar o projeto.

Nessa etapa será possível enxergar a complexidade que cada função possui. Em outras palavras, você poderá avaliar as experiências, formação e pré-requisitos que são exigidos para ocupar determinado cargo. Para definir um salário adequado e justo, é fundamental saber o que ele exige do funcionário, certo?

 

2 – Benchmarking com mercado

É importante conhecer a realidade de outras empresas, seja do mesmo setor ou não, pois dessa maneira é possível conhecer de forma mais detalhada o que tem sido valorizado fora dos muros da empresa.

Pesquisar práticas de mercado, conhecer as médias de salário pagos, o que os funcionários valorizam, os benefícios e os diferenciais que são oferecidos pelas companhias é um passo importante para construir e/ou alinhar a política de remuneração de qualquer empresa, e por consequência, atrair os melhores talentos para ela.

 

3 – Os salários estão compatíveis com o budget da empresa?

Quem disse que o RH não precisa se preocupar com o budget (orçamento) da companhia? Precisa, e muito! Afinal, do que adianta criar uma política de remuneração com diversos benefícios diferenciados se a companhia não consegue sustentar essa prática a longo prazo. Além do mais, agindo assim, há possibilidade de a empresa enfrentar problemas trabalhistas no futuro caso o combinado não seja cumprido ou um pagamento for atrasado.

Equilíbrio é a chave de tudo. Balancear a valorização do capital humano com o fluxo de caixa da empresa é importante para evitar que a médio ou longo prazo a empresa perca suas condições financeiras e precise fazer cortes na folha de pagamento.

 

4 – Remuneração não é só salário, lembre-se dos benefícios!

O pacote de benefícios é muito importante como forma de complementar a política de remuneração, principalmente quando estamos num cenário onde a economia não permite oferecer salários tão altos ou reajustes frequentes.

É mais do que sabido que, atualmente, as pessoas buscam qualidade de vida, bem-estar e equilíbrio entre a vida particular e a vida corporativa. Por isso, é importante pensar em benefícios que atendam essas demandas, como possibilidade de trabalho remoto, ambiente agradável com salas de descompressão e salas de jogos, bolsa de estudos, massagem relaxante, auxílio-creche, etc.

 

5 – Tire do papel a política de remuneração e AVALIE constantemente

Não apenas para esse projeto que consiste na construção de uma política de remuneração, mas para todos os projetos da área de Recursos Humanos, é fundamental contar com toda a ajuda possível para fazer o projeto vingar, implementando-o em parceria com a liderança da empresa.

Não dá para esquecer de estabelecer os objetivos que se deseja alcançar com a política de remuneração e de definir os indicadores de desempenho que deverão ser acompanhados de perto pela área de RH e pela liderança. Por fim, quando implementada a política de remuneração, é indicado comunicar de forma transparente para todos os colaboradores da empresa com o apoio do time de Comunicação Interna.