Nos dias de hoje, a integração entre as áreas de uma empresa pode ser considerada uma grande vantagem competitiva. Ao somar esforços ou trocar conhecimentos, gestores e funcionários de diferentes equipes melhoram a performance de todo o time e dão um passo a mais em direção ao alcance das metas.

Dentre as áreas que têm muito que ensinar, o marketing merece especial atenção, especialmente dos gestores de recursos humanos. Além de promover a marca, seja com promoções ou propagandas, o setor domina, como ninguém, a arte de fidelizar pessoas – que é, em parte, um dos maiores objetivos da gestão de RH.

Pensando nisso, listamos abaixo três lições ou práticas de marketing que podem ser aproveitadas na gestão de RH. Embora as áreas tenham políticas distintas, é possível extrair alguns ensinamentos e adaptá-los na administração de pessoas. Veja alguns exemplos:

  • Conheça o público alvo de suas ações

Para promover o negócio com assertividade, os gestores de marketing dedicam boa parte de seu tempo ao estudo e à definição das necessidades de um público-alvo. Para tanto, recorrem a levantamentos e diagnósticos, deixando de lado qualquer suposição.

A gestão de RH também faz uso de diversas pesquisas – especialmente as de clima – para ouvir funcionários e avaliar o desempenho da área. Contudo, é preciso aprimorar o estudo sobre os anseios das pessoas, especialmente na fase de atração de talentos.

Ao ter uma clara definição dos candidatos que pretende atrair, o RH passa a ter contratações mais acertadas e, consequentemente, mais colaboradores comprometidos com a empresa.

Isso se torna igualmente relevante nos debates sobre as diferentes gerações, que desafiam, diariamente, os trabalhos da gestão de RH. Recrutar ou gerir estagiários da Geração Z da mesma maneira que se recrutam ou retêm executivos baby boomers é um erro que precisa ser revertido.

  • Venda-se da melhor forma possível

O que seriam das companhias se elas produzissem produtos e/ou serviços, mas ficassem a espera de clientes e/ou consumidores, sem promover algum tipo de esforço? O resultado seria, no mínimo, indesejado. Por isso, cabe à equipe de marketing a missão de vender a empresa e suas mercadorias da melhor forma possível.

Talvez, essa seja uma das principais lições do marketing para a gestão de RH. Em tempos de escassez de talentos e disputa pelos melhores candidatos, já não há mais espaço para profissionais passivos, que esperam atrair e reter talentos sem se mover em direção a eles, e o pior, despidos de uma proposta de valor.

Tudo isso nos remete aos debates sobre marca empregadora. Em um artigo anterior, revelamos que a construção dessa imagem – tão relevante na gestão de RH – passa por algumas etapas, tais como identificação dos pontos fortes da empresa, criação de canais de comunicação e relacionamento e transformação de um discurso (cultura) em prática.

A conclusão foi a de que ao se vender como marca empregadora, o RH consegue atrair mais talentos, reduzir custos com contratação e diminuir o turnover, dentre outros benefícios.

  • Valorize o endomarketing

Conhecido também como marketing interno, o endomarketing tem se revelado como uma arma poderosa para reter e motivar pessoas, inclusive em tempos de crise. Mesmo que seja mais utilizado para estimular as equipes de vendas, a ferramenta já foi apropriada na gestão de RH, mas ainda de forma tímida.

Isso porque muitos gestores creem que o endomarketing prevê apenas ações pontuais, que premiam metas batidas num determinado período. Embora essa fórmula funcione na já citada área de vendas, ela pode ganhar um formato adaptado na gestão de RH.

Pesquisas recentes, feitas com pessoas que estão insatisfeitas com o trabalho, mostram que 89% delas sentem falta de um reconhecimento, seja verbal ou material. Esse número serve de alerta para a gestão de RH, mas também oferece pistas sobre o que deve ser feito, como a revisão de benefícios, a criação de melhores condições de trabalho, a promoção de responsabilidade social e a transformação de valores em práticas.

Por mais que essas ações pareçam simples e pouco rentáveis, é bom lembrar que o público interno de uma empresa (composto por funcionários, acionistas, gestores e parceiros da comunidade) é o maior porta-voz da organização, tanto para o bem quanto para mal. Portanto, é preciso somar esforços para que seu nível de satisfação seja igual ou mais elevado que o do cliente.

Nesse e em outros desafios, a área de marketing pode ser uma grande parceira da gestão de RH. Algumas empresas já apostaram nessa combinação e colheram ótimos resultados.